A Rede Nacional do Artesanato Cultural Brasileiro é uma iniciativa da Artesol, organização sem fins lucrativos brasileira, fundada em 1998 pela antropóloga Ruth Cardoso. Seu objetivo principal é promover a salvaguarda do artesanato de tradição cultural no Brasil. Por meio de diversas iniciativas, a Artesol apoia artesãos em todo o país, revitaliza técnicas tradicionais, oferece capacitação, promove o comércio justo e dissemina conhecimento sobre o setor.

ASTUR – Associação dos Artesãos de Turmalina


Os bordados de Turmalina têm uma identidade bem definida, marcada pelos intensos tons das linhas e padrões florais que enfeitam colchas, redes de dormir, toalhas de mesa, almofadas, entre outros itens de decoração.

Mostrar contatos

AbrirFechar

Os contatos devem ser feitos preferencialmente via Whatsapp.

Telefone (38) 9256-0045
Contato Rita
Rua Sebastião de Quadros n. 101, Bairro Caxambu , CEP 39660-000, Turmalina – MG

A Artesol não intermedeia relações estabelecidas por meio desta plataforma, sendo de exclusiva responsabilidade dos envolvidos o atendimento da legislação aplicácel à defesa do consumidor.

Sobre as criações

Os bordados de Turmalina têm uma identidade bem definida, marcada pelos intensos tons das linhas e padrões florais que enfeitam colchas, redes de dormir, toalhas de mesa, almofadas, entre outros itens de decoração. A produção artesanal, presente na região há muitas gerações, inicia-se na fabricação do tecido feito no tear, e isso pode ser feito com linhas fiadas na roca ou barbantes de algodão manufaturados. 

Para os fios artesanais, colhe-se o algodão, limpa e descaroça, carda, e assim a fibra em pluma está pronta para fiação. Com as linhas, monta-se o urdume e trama no tear mineiro com dois quadros de liço que chega a ter 2 metros de largura. Ainda que seja um ofício tradicional que muitas artesãs da comunidade dominem, pela escassez da matéria prima e limitação do tamanho dos teares locais, grande parte dos tecidos que servem de base para os bordados são produzidos pelas artesãs da cidade vizinha, Berilo. 

Nessa rede que fortalece o artesanato do Vale do Jequitinhonha, as artesãs seguem com sua rica e colorida produção de bordados ponto cruz barreadas de crochê. 

Sobre quem cria

A cultura e paisagens do Vale do Jequitinhonha inspiram os coloridos bordados de Turmalina. A Associação das Artesãs de Turmalina (ASTUR) foi fundada em 1992 e vem, desde então, fortalecendo a produção artesanal e a valorização social e cultural do ofício tradicional. 

Na época de sua fundação, havia uma grande demanda de organizar a produção presente na comunidade há muitas gerações. Isso porque o bordado foi uma forma das mulheres garantirem uma renda ao mesmo tempo que as possibilitava trabalhar em casa, cuidando dos filhos. 

O local onde até hoje funciona a sede da associação foi conseguido através de uma parceria com a prefeitura local. As artesãs costumam trabalhar em suas casas, encontrando-se na associação para reuniões, organização, repasse de pedidos e entrega de produção. 

Sobre o território

Localizada a 489 quilômetros da capital Belo Horizonte, no Vale do Jequitinhonha, o município de Turmalina é banhado pelos rios Fanado e Araçuaí. 

Habitado pelo povo indígena Aranã, o território teve em sua história inúmeras investidas exploratórias, que visavam sua ocupação para mineração e criação de gado. No início do séc. XX foram encontradas as pedras preciosas que deram nome ao vilarejo até então conhecido como Povoado de Piedade.

Apesar de ter surgido em decorrência da mineração, a cidade se desenvolveu com base na agricultura e comércio. Hoje, a principal atividade econômica presente no Vale é o cultivo de eucaliptos pelo agronegócio, que tem trazido consequências graves que atingem as comunidades e o ecossistema, como o desemprego, a crise hídrica, e os impactos na diversidade da fauna e da flora locais.

Na contramão do desenvolvimento predatório, as mulheres do Vale têm exercido um papel fundamental na geração de emprego e renda através do artesanato têxtil e cerâmico. Também atuam na recuperação do meio ambiente e garantia da segurança alimentar através do cultivo agroecológico. Assim, ao longo de gerações, vêm garantindo a subsistência de suas famílias com autonomia e valorização de seus conhecimentos. 

Membros relacionados