A Rede Nacional do Artesanato Cultural Brasileiro é uma iniciativa da Artesol, organização sem fins lucrativos brasileira, fundada em 1998 pela antropóloga Ruth Cardoso. Seu objetivo principal é promover a salvaguarda do artesanato de tradição cultural no Brasil. Por meio de diversas iniciativas, a Artesol apoia artesãos em todo o país, revitaliza técnicas tradicionais, oferece capacitação, promove o comércio justo e dissemina conhecimento sobre o setor.

Bordadeira da Pedra do Sal


Os bordados retratam a fauna e flora locais, que oferecem abundante inspiração. Feitos com linhas de algodão sobre tecido, como também sobre o trançado da palha de carnaúba, abundante na região. As principais peças consistem em roupas, como vestidos, batas e bolsas, além de itens para casa e decoração, como toalhas e caminhos de mesa,…

Mostrar contatos

AbrirFechar

Os contatos devem ser feitos preferencialmente via Whatsapp.

Telefone (86) 99561-0059
Contato Mayla
Povoado pedra do sal, rua projetada 42 (Próximo a creche João Severo), CEP 64200-025, Parnaíba – PI

A Artesol não intermedeia relações estabelecidas por meio desta plataforma, sendo de exclusiva responsabilidade dos envolvidos o atendimento da legislação aplicácel à defesa do consumidor.

Sobre as criações

O bordado começa com os desenhos, que em sua maioria representam a fauna e flora locais. A técnica está presente na região há gerações, era feito pelas mulheres em suas casas para colorir e enfeitar o cotidiano. Como conta Norma Sueli, gestora do grupo, elas bordavam flores e quando decidiram transformar a tradição em fonte de renda, viram que os motivos tradicionais não tinham tanto apelo comercial. Foi quando decidiram inovar e criar desenhos que representassem a fauna e flora locais. Hoje bordam de cactos a cajus, tartaruga de couro, peixe boi, camurupim, um peixe que está em extinção, e os guarás do delta que fazem o maior sucesso.  

Quem cria os desenhos é a própria Norma, que tem como fonte de inspiração uma das mais belas e ricas paisagens do país, no povoado da Pedra do Sal, litoral do Delta do Parnaíba. “Saio fotografando, vendo as paisagens e vou montando os desenhos”, conta. 

Os bordados são feitos com linhas de algodão sobre tecido de algodão, mas bordam também sobre o trançado da palha de carnaúba, abundante na região. A palha também pode ser emprestada como linha para o bordado, criando efeitos e texturas espetaculares. 

Os principais produtos são peças de roupa, como vestidos e batas, toalhas de mesa, guardanapos, caminhos de mesa, colchas de cama, acessórios como bolsas e colares e peças de decoração como quadros, almofadas e mobiles, com conchas, e bordados na palha da carnaúba.

Sobre quem cria

Norma Sueli foi presidente da Associação de Moradores e Pescadores de Pedra do Sal, de 2008 a 2016, e nesse período esteve à frente das atividades e necessidades da comunidade, entre elas o trabalho junto às bordadeiras. Entre 2012 e 2016, Norma articulou a criação de um  grupo de 15 mulheres com o projeto de complementação da renda familiar, através do artesanato. Umas já faziam crochê, outras trançado de palha e quase todas sabiam o bordado aprendido com as mães. Decidiram assim pelo bordado, porém no início tiveram muitas dificuldades com as vendas. 

Aos poucos perceberam a necessidade de inovar nos desenhos e começaram a bordar a fauna e flora local, o que acarretou maiores vendas e novas possibilidades. Além disso, passaram a ver o bordado também como  forma de resistência, contra grandes empreendimentos que afetam os modos tradicionais da comunidade. 

Em 2016, Norma saiu da Associação e criou a empresa “Bordadeira da Pedra do Sal” e segue trabalhando com 8 bordadeiras da comunidade. Em 2019 desenvolveram uma coleção chamada Emoção na Mão, em parceria com o designer Sergio Matos. O projeto integra os diferentes agentes envolvidos na Rota das Emoções, complexo turístico que envolve todo o Delta da Parnaíba. 

Comercializam seus produtos nas lojas do Brasil Original do Sebrae e em feiras nacionais do setor do artesanato. 

Bordadeira da Pedra do Sal / Crédito das fotos: Divulgação

Sobre o território

O Delta do Parnaíba está localizado entre os estados do Maranhão e Piauí e desenha dunas, mangues e ilhas em um cenário paradisíaco. O Rio Parnaíba, com seus 1.485km de extensão, abre-se em cinco braços envolvendo 73 ilhas fluviais. 

A 366 km da capital Teresina, Parnaíba é também conhecida como “Capital do Delta”, pois é a entrada para quem quer conhecer o único Delta em mar aberto das Américas e a Rota das Emoções, complexo turístico que integra os estados do Maranhão, Piauí e Ceará. 

A cidade localiza-se quase inteiramente à margem direita do rio Igaraçu, e parte na Ilha Grande de Santa Isabel, já no delta do rio Parnaíba. A única praia de Parnaíba é a da Pedra do Sal, localiza-se a 15 km da sede do município. A Pedra do Sal é dividida em duas partes: o lado Manso e o lado Bravo. Reconhecida por seu conjunto de rochedos graníticos, pedras que avançam oceano adentro, que dividem a praia em dois lados: o bravo, mais frequentado por surfistas por possuir ondas fortes, e o lado manso, ideal para descanso, pescaria e acompanhar o pôr-do-sol. 

São essas mesmas rochas que dão nome ao povoado, pois sobre sua superfície irregular deposita-se o sal após a evaporação da água do mar.  

A principal atividade econômica do município é a pesca, o extrativismo e beneficiamento de ceras de carnaúba, óleo de babaçu, gordura de coco, folha de jaborandi, castanha de caju, algodão e couro. O turismo e o artesanato vem despontando com muito potencial nos últimos anos. 

Membros relacionados