A Rede Nacional do Artesanato Cultural Brasileiro é uma iniciativa da Artesol, organização sem fins lucrativos brasileira, fundada em 1998 pela antropóloga Ruth Cardoso. Seu objetivo principal é promover a salvaguarda do artesanato de tradição cultural no Brasil. Por meio de diversas iniciativas, a Artesol apoia artesãos em todo o país, revitaliza técnicas tradicionais, oferece capacitação, promove o comércio justo e dissemina conhecimento sobre o setor.

Délio Saraiva


Délio é ceramista, ofício herdado de seu pai. Produz peças variadas, como arqueológicas, esculturas, objetos de decoração  e lembranças, como o muiraquitã, artefato, considerado amuleto de sorte. A argila é extraída na própria região de Soure – PA, onde mora atualmente.

Mostrar contatos

AbrirFechar

Os contatos devem ser feitos preferencialmente via Whatsapp.

CEP 68600-000, Bragança – PA

A Artesol não intermedeia relações estabelecidas por meio desta plataforma, sendo de exclusiva responsabilidade dos envolvidos o atendimento da legislação aplicácel à defesa do consumidor.

Sobre as criações

“Infelizmente o valor cultural na nossa região ainda é muito pouco percebido. Até pouco tempo atrás se tinha muita vergonha das nossas origens indígenas, do estado ser tão indígena. Neste cenário o trabalho com a cerâmica não era valorizado, mas eu quis mostrar como esse trabalho tem valor”.

Délio produz peças variadas, como arqueológicas, esculturas, objetos de decoração  e lembranças, como o muiraquitã, artefato, considerado amuleto de sorte. A argila é extraída na própria região de Soure, onde mora atualmente, e que abastece todos os artesãos. Para a pintura das peças utiliza pigmentos naturais e industrializados.

Délio Saraiva / Crédito das fotos: Ninon

Sobre quem cria

Délio Saraiva nasceu em Belém, capital do estado do Pará, em 1966, onde morou até os 7 anos de idade, quando o pai se mudou para o distrito Icoaraci, para trabalhar com a cerâmica, dando continuidade à atividade que se encontra presente na família há quatro gerações. 

Foi então em Icoaraci, considerado um grande centro de produção ceramista desde o século XIX, que Délio aprendeu com o pai a arte de moldar o barro. Em sua caminhada junto à cerâmica, Délio buscou a pesquisa como forma de aprofundar o seu conhecimento sobre o universo da cerâmica tradicional, incluindo a marajoara, mas escolheu a liberdade criativa, em lugar de produzir somente cópias. 

Em seu trabalho explora a plasticidade do material valendo-se de várias técnicas para moldar a argila e materializar as peças que produz. Como desenhista escultor e pintor utiliza esta habilidade para aprofundar sua relação com a cerâmica. Entre outras instituições, atuou como consultor e instrutor do Sebrae-PA durante 20 anos em projetos e cursos ligados a cerâmica. Atualmente trabalha em uma parceria com Instituto Caruanas, na Ilha do Marajó, onde produz, dá aulas para crianças, recebe visitantes e pesquisadores.

Sobre o território

O município de Soure é o maior município da ilha de Marajó, Pará, situado na Costa Oriental da Baía do Marajó, sendo a porta de entrada da ilha. É uma cidade pequena, com antigas igrejas e forte expressão expressão artesanal, sobretudo em cerâmica, herança deixada pelo povo marajoara. 

É considerada a mais antiga arte cerâmica do Brasil e uma das mais antigas das Américas e se caracteriza pela ampla quantidade de objetos rituais, utilitários e decorativos, como vasilhas, potes, urnas funerárias, tangas, chocalhos, estatuetas, bancos, entre outros. De modo geral, apresenta desenhos labirínticos, traços gráficos simétricos, em baixo ou alto-relevo, e também entalhes e aplicações.

Pesquisas arqueológicas indicam que o povo marajoara desapareceu por volta de 1.300 d.c., sua arte, no entanto, segue viva através das mãos de inúmeros ceramistas que vivem na região.

Membros relacionados