A Rede Nacional do Artesanato Cultural Brasileiro é uma iniciativa da Artesol, organização sem fins lucrativos brasileira, fundada em 1998 pela antropóloga Ruth Cardoso. Seu objetivo principal é promover a salvaguarda do artesanato de tradição cultural no Brasil. Por meio de diversas iniciativas, a Artesol apoia artesãos em todo o país, revitaliza técnicas tradicionais, oferece capacitação, promove o comércio justo e dissemina conhecimento sobre o setor.

Nen – Adeildo Gomes dos Santos


Nos dias de maré bem baixa, Nen e seu aprendiz Luca saem às quatro horas da manhã em silêncio para buscar madeiras mortas no mangue.

Mostrar contatos

AbrirFechar

Os contatos devem ser feitos preferencialmente via Whatsapp.

Telefone (82) 99973-0674
Contato Nen – Adeildo
Povoado de Santa Luzia, Barra de Santo Antônio – AL

A Artesol não intermedeia relações estabelecidas por meio desta plataforma, sendo de exclusiva responsabilidade dos envolvidos o atendimento da legislação aplicável à defesa do consumidor.

Sobre as criações

Foto de divulgação Artesol

Fotos de divulgação Artesol

Nos dias de maré bem baixa, Nen e seu aprendiz Luca saem às quatro horas da manhã em silêncio para buscar madeiras mortas no mangue. O horário é estratégico não só para aproveitar o período de águas baixas, mas também para evitar o encontro de conhecidos.

“Eu sou chato, ele já sabe que eu não gosto de conversar nesse momento. Com conversa a cabeça não fica boa e a inspiração não vem”, conta Nen se referindo a Luca.

Na praia, pegam uma jangada e vão para o mangue, onde se separam e começam a buscar materiais. É com a brisa do mar e o calor do sol que se sentem inspirados. O ato de criar começa assim, com olhar atento. Juntam tudo que encontraram na jangada e vão embora, às 7 horas da manhã.

Quando tiram as peças da jangada para carregar o carrinho, pensam como elas podem se juntar. A conversa enfim tem início: “que peça bonita!”.

Os pedaços de madeira morta recebem um rigoroso tratamento. São lavadas para tirar a lama, o sal, as ostras e os caranguejinhos e secam ao sol. Depois de secas, começam a ser trabalhadas para revelar o que já oferecem a ele. Com diversas ferramentas, Nen entalha cadeiras, bancos, mesas, luminárias e objetos de decoração. Mas confessa que, às vezes, o trabalho é compartilhado: “tem peça que o cupim trabalhou para nós”.

O recolhimento das peças do mangue tem um tempo próprio, ritmado pelo movimento das águas. Nas garimpagens encontrou uma peça que era interessante só por sua forma. Durante dois anos esperou a maré alta e a maré baixa cavá-la para ele. Só com a ajuda de Luca conseguiu levantá-la para a jangada, pois pesava mais de 100 quilos.

Além das madeiras encontradas no mangue, Nen também utiliza antigas canoas para fazer suas cadeiras. Algumas têm mais de cem anos e são parte da história de Barra de Santo Antônio, que já viveu da pesca e da carpintaria naval.

Sobre quem cria

Foto de divulgação Artesol

Filho de um carpinteiro que fazia jangadas e outras embarcações com madeiras recolhidas no mangue, Adeildo Gomes dos Santos ganhou o apelido de Nen ainda criança, para diferenciá-lo de seus onze irmãos. Com sete anos fazia seus próprios brinquedos e aos nove sentiu a necessidade de trabalhar. Com quatorze anos já era quase marceneiro e, mais tarde, tornou-se mestre em carpintaria, dedicando-se a construir barcos artesanais.

Mudou-se para São Paulo em 1991, onde ficou até 1997 trabalhando como mestre de marcenaria. De volta a Alagoas, encontrou o fotógrafo Celso Brandão e trabalhou de 2000 a 2018 fazendo consertos e restaurações em peças de mestres e artesãos de sua coleção de arte popular. Restaurou peças de Zé do Chale, Seu Fernando e Véio, sem “mexer nas assinaturas”. Aprendeu e se apaixonou por arte convivendo com essas obras.

Um dia ouviu de Celso Brandão que era hora de andar com as próprias pernas. Em 2019, Brandão produziu a exposição “Pepitas populares – Coleção Celso Brandão”. Nen participou da mostra com 20 cadeiras, junto a grandes nomes da arte popular brasileira, e recebeu do fotógrafo a alcunha de “ebanista à beira-mar”. Desde a exposição, produz suas peças para vender. Tem um ateliê próximo à praia e uma galeria na principal rua da cidade.

Para Nen, o artesanato é um trabalho feito com amor, que só traz coisas boas. A fonte de sustento de sua família é o artesanato: Carla, sua esposa, é artesã e cuida da galeria. Jaíne, sua filha, trabalha em lojas colaborativa onde suas peças são vendidas e administra as redes sociais.

Sobre o território

A região de Barra de Santo Antônio começou a ser colonizada no século XVII por holandeses. O município tem cerca de 14 mil habitantes e é cortado pelo rio Santo Antônio Grande. No passado, as principais atividades econômicas eram a carpintaria naval de pequenas e médias embarcações, a pesca e a mineração de pedra calcária. Atualmente, tem grande vocação turística, com suas belas praias, arrecifes e piscinas naturais.

Membros relacionados