A Rede Nacional do Artesanato Cultural Brasileiro é uma iniciativa da Artesol, organização sem fins lucrativos brasileira, fundada em 1998 pela antropóloga Ruth Cardoso. Seu objetivo principal é promover a salvaguarda do artesanato de tradição cultural no Brasil. Por meio de diversas iniciativas, a Artesol apoia artesãos em todo o país, revitaliza técnicas tradicionais, oferece capacitação, promove o comércio justo e dissemina conhecimento sobre o setor.

Rendeiras da Aldeia 


É em Carapicuíba, território da região metropolitana da grande São Paulo, que o grupo Rendeiras da Aldeia vem resgatando a tradição da Renda e repassando esse conhecimento. Até certo ponto, elas compravam os riscos, como chamam os desenhos para rendar, de Pernambuco, mas hoje elaboram os seus com identidade própria.

Mostrar contatos

AbrirFechar

Os contatos devem ser feitos preferencialmente via Whatsapp.

Telefone (11) 93204-4569
Contato Aliane Lindolfo da Silva
Praça da Aldeia de Carapicuíba, Casa 20 – Jardim Marilu, Carapicuíba – SP

A Artesol não intermedeia relações estabelecidas por meio desta plataforma, sendo de exclusiva responsabilidade dos envolvidos o atendimento da legislação aplicácel à defesa do consumidor.

Sobre as criações

A Renda Renascença tem origem Italiana e chegou ao Brasil com o ensino das rendas e bordados nos Colégios de Freiras, nos quais estudavam as jovens de famílias mais abastadas. Costumeiramente, o saber fazer renascença foi preservado e é encontrado no interior da região Nordeste, principalmente entre os estados de Alagoas, Pernambuco e Paraíba. Porém, com os fluxos migratórios dentro do país, esse saber se espalhou junto às rendeiras que saíram do Nordeste com suas famílias. 

E é em Carapicuíba, território da região metropolitana da grande São Paulo, que o grupo Rendeiras da Aldeia vem resgatando a tradição da Renda e repassando esse conhecimento. Até um certo ponto, elas compravam os riscos de Pernambuco, mas hoje elaboram suas próprias criações. Ainda sim, priorizam o uso de linha e fitilho brancos, conforme a tradição. 

Crédito da foto: Rebeca Chiarini

Crédito das fotos: Rebeca Chiarini

A Renda é feita com agulhas, a partir do posicionamento do lacê – fita de algodão – e o entrelace de linhas finas também de algodão, em uma almofada individual. Segue o seguinte processo: O risco é feito no papel  manteiga, que é alinhavado em uma base de plástico ou papel. Depois, o desenho é contornado com o laçê em alinhavo, gerando uma espécie de moldura. A base pronta é colocada em cima da almofada individual que cada rendeira trabalha em seu colo ou em cima de um suporte. Com os pontos – xerem, abacaxi, rococó, dois amarrados, etc.- os contornos de lacê são preenchidos. Cada trabalho leva semanas ou até meses. 

Se dedicam ao processo de pesquisa para criar coleções autorais que integram a tradição da renda e a linguagem contemporânea. Formam parcerias com estilistas, designers, galeristas e ocupam espaços de aprendizado, promovendo oficinas e utilizando a renascença como ferramenta de articulação política, com toda força e delicadeza que a tipologia carrega. 

A coleção autoral “rendar para guardar”, por exemplo, apresenta camisas e chemises em linho, com bolsos rendados, que levam a renda em destaque, mas também otimizam seu tempo de feitura. Além disso, produzem peças decorativas, obras artísticas, aplicações e diversos outros produtos. Já foram premiadas pelo Prêmio do Objeto Brasileiro, participam de eventos de arte, artesanato e design, e algumas de suas peças circularam em exposições internacionais em Genebra e Portugal.  

Sobre quem cria

Artesã Renata Paschoareli / Crédito da foto: Rebeca Chiarini

O grupo Rendeiras da Aldeia é formado por 16 mulheres, e tem uma história de formação bastante interessante: A OCA Escola Cultural é uma organização que oferece diversas atividades culturais e educacionais para crianças da Aldeia de Carapicuíba, no contra-turno escolar. Foi a partir da procura por alfabetização de adultos que algumas mulheres passaram a se reunir, e na troca de conhecimentos que essas mulheres estabeleceram, passaram a se dedicar a ensinar e aprender bordado, crochê e outras habilidades, umas com as outras. Em paralelo, elas cantavam, em uma investigação a respeito de cantos de trabalho realizada por Lucilene, gestora da OCA. Foi em uma dessas trocas que Dona Wilma, pernambucana de Poção, foi convidada a ensinar a Renda Renascença a esse coletivo de mulheres. Como elas mesmas relatam, depois de aprender a Renda, se apaixonaram e nunca mais deixaram. 

Se reúnem semanalmente para rendar juntas e também oferecem aulas e oficinas para mulheres e crianças da região. Além disso, o grupo mantém uma agenda de intercâmbio com outros grupos de mulheres, como as Mulheres do Vale do Jequitinhonha e o encontro de Rendeiras que promovem em julho, em busca de fortalecimento do coletivo e autonomia de mulheres.  

Sobre o território

Artesãs do grupo Rendeiras da Aldeia seguram peça de renda na Aldeia de Carapicuíba / Crédito da foto: Rebeca Chiarini

A Aldeia de Carapicuíba é um território pequeno, mas de alta densidade demográfica, com mais de 400 mil habitantes. Foi formada a partir da gentrificação do centro de São Paulo e é constituída por pessoas de todas as partes do Brasil, que foram para São Paulo trabalhar na construção civil, principalmente no século passado. 

Segundo Lucilene, a OCA Escola cultural já nasceu nesse contexto de pessoas migrantes. Se dedicam a diversas atividades culturais e educacionais, abarcando desde práticas artísticas e cultura popular, a assistência social e de saúde, incluindo reforço escolar e alfabetização. 

O grupo Rendeiras da Aldeia trabalha dentro da estrutura da OCA, ainda que de maneira autônoma, o envolvimento com as atividades da organização é constante, contribuindo na concepção e execução de figurinos e outras atividades culturais promovidas. 

Membros relacionados