A Rede Nacional do Artesanato Cultural Brasileiro é uma iniciativa da Artesol, organização sem fins lucrativos brasileira, fundada em 1998 pela antropóloga Ruth Cardoso. Seu objetivo principal é promover a salvaguarda do artesanato de tradição cultural no Brasil. Por meio de diversas iniciativas, a Artesol apoia artesãos em todo o país, revitaliza técnicas tradicionais, oferece capacitação, promove o comércio justo e dissemina conhecimento sobre o setor.

Grupo Trançado de Pitimbu


O grupo Trançados de Pitimbu, que conta hoje com nove artesãs em atividade, produz o refinado artesanato de Pitimbu, conhecimento ancestral que ganhou nas mãos da Mestra Zefinha formas e modos de fazer únicos, repassados à comunidade.

Mostrar contatos

AbrirFechar
Telefone (83) 98863-4894
Contato Eliane Pereira de Souza
Rua Santa Isabel, 560, CEP 58324-000, Pitimbu – PB

A Artesol não intermedeia relações estabelecidas por meio desta plataforma, sendo de exclusiva responsabilidade dos envolvidos o atendimento da legislação aplicácel à defesa do consumidor.

Sobre as criações

Não é todo tipo de coqueiro que tem fibras para os finos trançados de Pitimbu, é preciso observar a base do coqueiro e o tipo de coco que o pé dá, com olhos treinados para o ofício. Do cangaço, como é chamada a folha do coqueiro, se retira o talo, que é desfeito em finas lascas. Essas lascas são passadas pela latinha, uma espécie de extrusora de metal construída artesanalmente para afinar a fibra e deixá-la em formato de fio. Quando é de boa qualidade, a fibra é longa e resistente e com ela são feitas frutas, flores, animais, cestos, luminárias, e qualquer outro formato que a imaginação mandar.

Mestra Zefinha foi uma das principais artesãs a desenvolver o ofício na região. Sua criatividade e capacidade técnica eram tamanhas, que trançava nos fios qualquer imagem que quisesse, assim saiam galinhas, peixes e as mais diversas flores e frutas de suas mãos.

Cesto e esculturas de frutas em talo de coqueiro sobre a areia da praia de Pitimbu. Crédito: Julio Ledo

Sobre quem cria

O grupo Trançados de Pitimbu, que conta hoje com nove artesãs em atividade, produz o refinado artesanato de Pitimbu, conhecimento ancestral que ganhou nas mãos da Mestra Zefinha formas e modos de fazer únicos, repassados à comunidade. A formação do grupo é uma herança do trabalho realizado pela Artesol entre os anos de 2001 e 2003, que reuniu e fortaleceu o então chamado Trançados de Pitimbú.

Na época, foram realizadas oficinas de criação de produto, de organização do trabalho coletivo e ampliados os canais de venda desse artesanato, com o objetivo de aumentar a renda dos artesãos e de suas famílias. Após quase duas décadas, o ofício segue ocupando um lugar central nessas histórias, conectando as artesãs com o passado e criando possibilidades de futuro.

Artesãs do Grupo Trançados de Pitimbu e suas criações. Crédito: Julio Ledo

Sobre o território

Pitimbú é um pequeno município com quase 19 mil habitantes, situado no litoral sul da costa paraibana, região metropolitana da capital João Pessoa. Suas principais atividades econômicas são o turismo, a pesca, a agricultura e o artesanato em fibra de coco, matéria-prima retirada do talo da folha do coqueiro.

O artesanato de Pitimbú expressa um saber tradicional brasileiro de complexa técnica perfeitamente executada, ao longo de mais de 30 anos, por Maria José do Nascimento, Mestra Zefinha. Com o repasse deste saber, a partir de 2001, o trançado passa a ser parte da vida de muito mais pessoas, garantindo a perenidade deste artesanato.

Esculturas em talo de coqueiro sobre a areia da praia de Pitimbu / Crédito da foto: Julio Ledo

Crédito das fotos: Julio Ledo

Membros relacionados