A Rede Nacional do Artesanato Cultural Brasileiro é uma iniciativa da Artesol, organização sem fins lucrativos brasileira, fundada em 1998 pela antropóloga Ruth Cardoso. Seu objetivo principal é promover a salvaguarda do artesanato de tradição cultural no Brasil. Por meio de diversas iniciativas, a Artesol apoia artesãos em todo o país, revitaliza técnicas tradicionais, oferece capacitação, promove o comércio justo e dissemina conhecimento sobre o setor.

Zuza – José Edvaldo Batista


Sobre as criações Filho de uma família modelada no barro, Zuza lida com ele desde sempre. Mas a tradição familiar ceramista não o conduziu aos utilitários, como era de se […]

Mostrar contatos

AbrirFechar

Os contatos devem ser feitos preferencialmente via Whatsapp.

Tracunhaém – PE

Sobre as criações

Filho de uma família modelada no barro, Zuza lida com ele desde sempre. Mas a tradição familiar ceramista não o conduziu aos utilitários, como era de se prever. Zuza iniciou sua história junto a peças figurativas, esculturas xifópagas (que significa o indivíduo cujo corpo se encontra ligado ao do irmão; gêmeo siamês). Não sabe explicar ao certo a origem dessa inspiração. Em seguida, descobriu-se santeiro e imprimiu uma identidade própria: teve a coragem de substituir o manto, suntuosamente ornamentado, usado tradicionalmente pela igreja nas imagens religiosas, por um modelo ausente de ostentação, que assume a pobreza na representação feita, como se fosse de estopa.

Um artista que faz uso de recursos simples, como palitos e canetas. Desvincula-se da estética europeia e consagra, em traços e vestimentas, os negros, indígenas, e nordestinos através da presença da renda de bilro em menção aos reis e rainhas do Maracatu, do cocar do indígena e do resplendor, presente em quase todos os santos, uma homenagem aos povos tupi-guarani. Assim preserva a essência da arte primitiva dos antigos mestres do barro, em um trabalho autoral que propõe uma releitura do barroco com criatividade e força expressiva, assegurando contemporaneidade e raízes nordestinas. 

Sobre quem cria

Conhecidos ceramistas de utilitários nos anos 1920, os avós de Zuza já eram artesãos. O pai, João Batista, sempre trabalhou com a tia, Severina Batista, uma das mais expressivas artistas populares do município. Assim, ainda menino, José Edvaldo Batista naturalmente dá continuidade a essa tradição. Tinha dez anos quando iniciou na cerâmica, em uma pequena olaria de José Tibúrcio e por cerca de dez anos, na década de 80, trabalhou com Tiago Amorim, artista de vasta experiência e reconhecimento internacional. Não tardou a desvendar seu próprio estilo e dar ao barro novos significados partindo da realidade filtrada pelo menino que cresceu impactado pela força da arte popular e pela pobreza.  

Artista plural e versátil, Zuza gosta de pintar, desenhar, escrever, compor músicas e poesias. Desde de 1975 é sócio da COOPERATA e há mais de duas décadas presta serviço ao Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR-PE) através da administração regional de Pernambuco, ensinando, ao longo de todos esses anos, mais de 1500 alunos do sertão e agreste pernambucano a se descobrirem artistas do barro. Muitos deles seguiram o ofício.

Historiador, é formado e pós graduado pela Universidade de Pernambuco (UPE) graças a renda garantida pelo barro. É produtor cultural cadastrado na Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (FUNDARPE), ex-secretário de Cultura e ex-diretor de Turismo do município. Reconhecido pelo governo do estado de Pernambuco mestre de ofício, foi premiado no Salão de Arte de Pernambuco e recebeu título de Patrimônio Vivo de Tracunhaém. 

Aos 61 anos, apesar de não ter seu próprio atelier, um desejo ainda por realizar, orgulha-se em ter conseguido sobreviver do artesanato de barro até hoje.

“Não tem coisa melhor do que você saber fazer alguma coisa e não precisar estar empregado pra sobreviver. Consegui trabalhar com artesanato a vida toda, muita gente não acredita que isso é possível”.

Sobre o território

Mestre Zuza é nascido e criado no município de Tracunhaém, Zona da Mata pernambucana, prestigiada terra da arte santeira. Um dos maiores centros de excelência na arte cerâmica do Brasil. Tracunhaém significa em tupi-guarani “panela de formiga” ou “formigueiro”. Surgiu como um povoado na primeira metade do século XVIII por exploradores de pau-brasil e criadores de gado e foi grande produtora de cana de açúcar no século XIX. Diversos engenhos instalaram-se na região, mas não trouxeram prosperidade. Foi pelo artesanato em barro que se desenvolveu e em pouco tempo viu florescer um vantajoso negócio.

A cerâmica utilitária, que remonta ao período colonial, era prática comum às filhas de louceiros e oleiros, que davam à argila formas lúdicas a partir da invenção de brinquedos e os pais valorizavam a criação dos filhos levando tais peças para vender nas feiras das cidades vizinhas junto com suas peças. A partir da década de 1940, a cerâmica ganha fama com a arte de Lídia Vieira e seus familiares, e posteriormente de Antônia Leão, Severina Batista (tia de Zuza) e Baé, já falecidos. Hoje a cerâmica artesanal domina a atividade econômica da cidade, com dezenas de ateliês e oficinas de barro. A maioria modela sem o uso do torno de oleiro e utiliza rústicos fornos a lenha para a queima. Tracunhaém também se destaca pela arte figurativa e decorativa do barro inspirados nas imagens do cotidiano, da cultura popular e da fé religiosa. 

“A riqueza da gente é saber fazer a arte”.

Crédito da foto: Portal do Artesanato de Pernambuco

Membros relacionados