A Rede Nacional do Artesanato Cultural Brasileiro é uma iniciativa da Artesol, organização sem fins lucrativos brasileira, fundada em 1998 pela antropóloga Ruth Cardoso. Seu objetivo principal é promover a salvaguarda do artesanato de tradição cultural no Brasil. Por meio de diversas iniciativas, a Artesol apoia artesãos em todo o país, revitaliza técnicas tradicionais, oferece capacitação, promove o comércio justo e dissemina conhecimento sobre o setor.

Associação Fibrarte 


Fibrarte nasceu em 2011 para potencializar a produção artesanal com fibra de bananeira no município de Missão Velha – CE. Hoje são 17 grandes mulheres que dão cor e forma aos secos troncos das bananeiras

Mostrar contatos

AbrirFechar

Os contatos devem ser feitos preferencialmente via Whatsapp.

Missão Velha – CE

A Artesol não intermedeia relações estabelecidas por meio desta plataforma, sendo de exclusiva responsabilidade dos envolvidos o atendimento da legislação aplicácel à defesa do consumidor.

Sobre as criações

Crédito da foto: Samuel Macedo

Em um processo 100% manual, as artesãs trabalham com o tronco da bananeira, descascando, decupando e separando-o em grandes pedaços de fibra. As fibras são cortadas na espessura desejada e raspadas, reservando a parte mais aderente das partes mais lisas. Ao final, as tiras são colocadas ao sol para secagem. Após secas, a palha pode ser tingida ou ir direto para o trançado. Todo esse processo está registrado e contado pelas próprias artesãs, em seu canal do youtube, com direito a música de fundo e narração.  

A mais nova criação são as flores de fibra que, de tanto sucesso, fizeram com que o grupo criasse uma oficina, sempre lotada, para mostrar a técnica a outros interessados.  Para além das flores, o grupo produz luminárias, cestas, bolsas, jogos americanos e muitos outros produtos sempre com um toque minimalista, sem muitas cores e ornamentos, prezando pelo destaque a matéria prima em si, o grande diferencial segundo a presidenta Cícera.   

Sobre quem cria

Crédito da foto: Samuel Macedo

Crédito das fotos: Samuel Macedo

Nessa transmutação entre o material e imaterial, as dezessete grandes mulheres da Fibrarte dão cor e forma aos secos troncos das bananeiras.  O grupo nasceu em 2011 a partir de um encontro organizado pela CEART (Central de artesanato do Ceára) que apresentou às mulheres – algumas já artesãs de outras técnicas ou matérias primas – a possibilidade de trabalhar com a fibra da bananeira, abundante na região. As mulheres agarraram a oportunidade e nunca mais pararam.  

Com mais de uma década de história, a Associação honra a oportunidade recebida e já formou novos núcleos produtivos mas que sofrem com imprevisibilidade da demanda no artesanato e lutam para se manterem unidas.  

Em contato constante com os jovens, o grupo surpreende pela criatividade e presença digital. Com perfil no instagram atualizado que compartilha a rotina na comunidade, divulga as feiras nacionais e locais que participam,  as oficinas que promovem, além de mostrar os diferentes produtos criados, o grupo conta também com um canal no youtube, onde conta a história de suas participantes, do próprio grupo e dos sonhos para o futuro. 

   

Sobre o território

Crédito das fotos: Divulgação Artesol e Samuel Macedo

Em um estado riquíssimo e reconhecido pela potência de sua arte popular, Missão Velha é conhecida como o portal do Cariri. O município está na serra do Araripe e abriga o único Geopark da América Latina, criado para conservar, nada mais nada menos, que uma floresta de fósseis com mais de 15 mil anos de história. Os troncos fossilizados são preservados para evidenciar que ali, em pleno sertão cearense, já houve uma grande floresta. Já os troncos das bananeiras são trabalhados, transformados em diferentes produtos e evidenciam a criatividade das mulheres artesãs de Missão Velha. 

Oitavo maior produtor de bananas do Brasil, Missão Velha optou por transformar o que poderia ser uma questão ambiental – o rejeito dos troncos de bananeiras – em uma oportunidade de trabalho e expressão para as mulheres da região, transformando o patrimônio material em imaterial a luz do dia – e da noite quando a demanda é grande. 

Membros relacionados